Cachoeira Morada do Sol

Ao montar meu roteiro para a Chapada dos Veadeiros em Goiás, eu não havia colocado ir nessa cachoeira. Como parei lá? O que achei? Valor? Vale a pena? Vem conferir…

Eu fui até São Jorge para entrar no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e ao chegar já havia sido atingida a capacidade de pessoas a entrar no local. Como estava na região pensei em ir a uma cachoeira próxima dali. Parei no CAT (Centro de Atendimento ao Turista) e comecei a ver MUITAAAAAAAAAS cachoeiras pela região. No meio de tantos panfletos, imagens e informações, eu me deparei com a Cachoeira Morada do Sol.

Lembrava-me de passar por ela ao ir às Águas Termais do Morro Vermelho, então sabia como chegar. Não era difícil, voltava para rodovia e continuava por 6km depois de São Jorge em estrada de terra e logo se chegava a ela.

Ao chegar ao local você avista um restaurante a sua direita. DICA: BEBA O CALDO DE CANA! Sem brincadeiras, é absurdamente BOM. E na porteira estavam duas moças cobrando R$ 20,00 para entrar. No começo ainda pensei “é muito caro”, não estava preparada para pagar esse valor, sendo que queria ir à outra à tarde. Mas já que estávamos na chuva, bóra se molhar né. Entramos e seguimos as instruções que as moças nos deram e seguimos por mais ou menos 1km em estrada de terra, essa nos levava até o estacionamento.

No estacionamento só tinha mais dois carros, isso em pleno Carnaval é difícil. Normalmente os lugares ficam lotados e não sabia se isso era bom, porque curtiríamos o lugar vazio, ou se seria ruim e por isso ninguém estava ali. Isso não nos impediu de começar a trilha. A trilha é considerada fácil, porém há algumas partes íngremes. Ela se divide em três partes: a cachoeira Morada do Sol, o Vale das Andorinhas e a Barra das Douradas. Dois desses pontos são para banho e um deles é um mirante para se apreciar a beleza do local.

Eu quis conhecer todos e ver como era cada um deles, comecei pelo Mirante (Vale das Andorinhas) e simplesmente ME APAIXONEI. Não sei nem como explicar ele para vocês, mas são grandes paredões com muitas curvas, e a agua do Rio São Miguel passa percorrendo com força, caindo de pontos mais altos. Simplesmente amei aquilo que eu vi. Achei chegar ao mirante a parte mais complicada da trilha, necessita de ajuda de cordas que estão presas já no local, para melhor apoio. Mas vale com certeza a pena.

Depois fomos ate a Barra das Douradas, essa é uma parte bem calma do Rio. Claro que existem partes fortes e sempre se deve ter cuidado, mas era realmente mais tranquila. Não quis dar um mergulho ali, porque era apenas o rio e não estava vendo alguma cachoeira para entrar em baixo da queda. Então deixei para tomar aquele banho de cachoeira lá na Cachoeira Morada de Sol. Quando chegamos lá já era mais tarde e o local já estava mais cheio, mas isso não nos impediu de passarmos horas por lá aproveitando o local. Porque o espaço para banho dessa cachoeira é grande e ótimo. Ah, e cheio de peixinhos!

Dica: Na trilha, quase chegando à cachoeira há uma “trilha” que você até duvida se realmente é um caminho que te leva para o topo da cachoeira, muitos não conhecem essa informação não indo até lá. Ou seja, estava uma paz, sem ninguém. Para mim, foi o melhor lugar de todo o passeio.

Muitos assim como eu não coloca nos planos ir até esse lugar e devíamos rever nossos conceitos e cogitar incluí-la. Eu estive nela por aproximadamente 4h, mas sei que poderia passar o dia inteiro nela e não iria me arrepender. Amei o lugar, achei espetacular e a área para banhar-se maravilhosa, então pense com carinho nela quando forem montar seu roteiro para a Chapada dos Veadeiros.

 

Salve esse post no Pinterest!

Comments

comments

Deixe um comentário