Montanhas Coloridas

As Montanhas Coloridas são definitivamente uma obra incrível de Deus. Ao olhá-las você já se apaixona por sua variedade de cores e por toda a paisagem que a cerca.

Desde o começo já preparo vocês a entenderem que foi a coisa mais DIFÍCIL em que já fiz em toda a minha vida. Esse era o meu objetivo ao ir para o Peru, muitos priorizam Machu Picchu, outros Huaraz. A minha meta era realizar a trilha para as Montanhas Coloridas. Na verdade o nome dela no Peru é Vinicunca, mas devido suas cores ela já ficou conhecida como as Montanhas Coloridas.

Eu decidi fechar com uma agência em Cusco o passeio. O valor que paguei foi R$ 80,00, incluso ingresso, transporte, guia e alimentação (café da manhã e almoço). Para mim o passeio começou às 02h30m. Você não leu errado, eu tive que levantar esse horário. Pois a hora combinada para o guia me buscar era às 03h30m. Eles me buscaram e me levaram até um ônibus na própria cidade de Cusco. Esse ônibus estava com todo meu grupo, cerca de vinte pessoas de todos os tipos de nacionalidades.

Eram dois guias que iriam nos acompanhar um para tomar a dianteira da trilha e outro para ficar com os últimos, ou seja, eu tinha um guia particular para mim já que eu fui a ultima o trajeto todo.

 

 

 

 

 

 

São aproximadamente 04h de ônibus de paisagens lindíssimas até chegar a um pequeno Vilarejo onde tomamos o café da manhã. Bem simples com apenas pão, geleia, margarina, suco e chá. Mas o necessário para encararmos a trilha que estava por vir. Ali nossos guias deram as instruções necessárias e nos recomendaram a levar folhas de coca, pois como não somos acostumados com a altitude poderíamos ter algumas reações não desejadas e essas folhas ajudam com a altitude. Nesse local eles também já começam a alugar os “bastones”, são aqueles bastões que ajuda na caminhada. Se devem alugar? Vai realmente de vocês, às vezes você cansa de usá-lo, mas teve momentos em que realmente tive ajuda dele, principalmente na descida. O valor do aluguel é de R$ 5,00. Se você não pegou e resolver alugar depois, fique tranquilo na entrada da montanha também há pessoas alugando.

 

 

 

 

 

 

Saímos do vilarejo e seguimos por uns 15min de ônibus até as montanhas. Recomendo não olhar para a estrada, mas se não me ouvirem e olharem, preparem os corações. Isso porque as estradas são todas em curvas e abismos, onde o motorista passa nas beiradinhas. Juro que não tem nem 30 cm entre o pneu e o abismo. Deu muito medo, mas estou viva, então deu tudo certo.

Ao chegarmos aos pés das montanhas o guia vê quem pagou ingressos e aqueles que ainda não compraram pagam mais R$ 10,00. O meu já estava incluso no passeio então foi só seguir adiante. A trilha tem aproximadamente 12 km. Portanto levem muita água. Nesse momento você está pensando que é tranquilo, não, não é. Começamos a trilha já em 3.400m de altitude e o pico máximo em que chegamos nela é 5.200m. Podem achar ainda que é suave, mas a altitude nos afeta muito, não somos acostumados e isso é terrível.

  

Mascava uma folha de coca atrás da outra para não ter dor de cabeça e realmente não tive, porém o que eu tive foi cansaço. Sem brincadeiras, eu dava quatro passos e queria parar descansar. Meu coração estava disparado e eu fiquei muito ofegante o caminho todo. Lembre-se que se passarem mal na trilha, os guias estão com bombas de oxigênio para auxiliá-los, porém não vi ninguém precisar.

Outra coisa em que não citei, há a possibilidade de subir a trilha até quase seu fim de cavalo. Muitos pegam essa opção. Engraçado é que no inicio o aluguel dos bichinhos estão R$ 90,00 e ao decorrer da trilha eles vão abaixando o preço. Tem o caminho todo. Vou ser sincera, alguns até dá para pensar em pegar, mas você vê nos olhos dos cavalos a judiação que é aquilo com eles. Alguns chegam a ser maltratados, dava dó.

 

 

 

 

 

 

Foram 02h30m de trilha e se você é uma Maria Mijona como eu, saiba que a cada 1km tem um banheiro a sua disposição. Não são limpos e bonitos, mas dá para usar. Levem papel higiênico. Quando chegamos ao topo, não tenho nem palavras para descrever a beleza do local. De um lado admirava as montanhas cheias de cores e do outro lado montanhas com os picos cheios de neve. Eu que nunca vi neve em abundância fiquei maravilhada.

Lá no topo tem pessoas vendendo alguns salgadinhos e bebidas, como eu não sabia eu levei tudo. Bom que economizei, mas ruim porque foi mais peso que carreguei no caminho. Quanto às roupas para usar durante essa aventura, se você for à época de inverno como eu fui. Fui em junho para ser mais exata, estava bem frio, então era um tira e põe roupa, porque durante o caminho seu corpo esquentava. Mas sugiro vocês a irem com uma calça muito confortável e quentinha, uma blusinha ou camisetinha leve e por cima um casacão grosso e corta vento. Algo que achei importante é levar luvas, senti muito frio nas mãos e não se esqueçam de tênis ou botinhas próprias para trilhas.

O caminho de volta com certeza absoluta é mais tranquilo e você deve fazer ele em menos de 02h. Mas confesso que você na volta vai parando e tirando fotos de tão bonito que é o lugar. Ao chegar ao ônibus ele nos leva naquele vilarejo para almoçar e a comida estava deliciosa. Depois retornamos para Cusco, chegando aproximadamente às 19h.

Eu amei fazer esse passeio, porem tive muita dificuldade por conta da altitude. Para aqueles que me perguntam se é necessário ir, digo que não, pois é realmente muito sofrido. Porém se você não liga em subir de cavalo ou se realmente é um amante da natureza, definitivamente vocês devem ir e para vocês essa atração não pode faltar em seu roteiro pelo Peru.

 

Comments

comments

Deixe um comentário