Vale Sagrado

Um passeio imperdível em Cusco e para todas as idades é conhecer o Vale Sagrado. Um tour por vários povoados fundado por incas cheios de cultura, conhecimento e tradição.

Não fechei o passeio pelo Brasil, por dica de uma amiga deixei para contratar a empresa com a qual eu faria o passeio lá em Cusco. Ao chegar você é abordado por muitas pessoas vendendo os tours e passeios pela região. A minha dica é: escolha aquela que a pessoa te tratar melhor, com preço bom e que pareça confiável. Confesso que tinha umas agências que me dava até medo de entrar, então optei por uma que ficava localizada na própria Plaza del Armas.

Acabei fechando com eles todos os passeios, ou seja, as Montanhas Coloridas, o Vale Sagrado e até mesmo comprei o ticket de Machu Picchu. O senhor que nos vendeu foi muito simpático, a agência era pequena, mas eu senti firmeza neles e deu tudo certo.

O tour para o Vale Sagrado se iniciou às 09h, nosso guia foi ótimo e o melhor era que ele era APAIXONADO pela cultura Inca, então ele falava com paixão sobre tudo que era relacionado a eles. Nossa primeira parada foi uns 30min depois que saímos de Cusco, paramos em uma feirinha de um pequeno vilarejo chamado Pisaca. Dica: vá ao banheiro, porque depois vai demorar um pouquinho até achar um. Não achei interessantes os preços do local, na verdade era similar ao de Cusco, então achei melhor não comprar nada, para não ter que ficar carregando os itens comprados. Porem de acordo nosso guia, ali era o melhor preço para artesanatos de barro.

Depois seguimos estrada por mais uns 40min e paramos no Mirador Taray, para nós: Mirante de Taray. Uma parada realmente rápida, eu acredito que ficamos ali uns dez minutos. Ali foi onde nosso guia começou a dar introdução em nosso passeio, mostrando uma vista maravilhosa do Vale Sagrado. Podemos ver o Rio Sagrado e admirá-lo. Para os Incas esse era um rio de fundamental importância, devido à maioria das plantações ao seu redor darem certo. Para nós brasileiros, esse rio é de extrema importância, pois ele se torna nosso querido Rio Amazonas.

Saindo do Mirante, fomos em direção a Pisac. Antes que você se confunda, a feirinha fica em Pisaca e o sitio arqueológico que foi nossa terceira parada se chama Pisac. Essa cidade é o local onde você compra o ticket para entrar nos parques em que irá visitar no dia. Existem duas possibilidades de ingresso a se comprar: o ingresso completo (que abrange praticamente todas as atrações turísticas da região de Cusco, esse dura 10 dias) ou o ingresso parcial (dura apenas 2 dias e é voltado para apenas um tipo de atração turística). Qual escolher? Depende do seu tempo por ali, do seu bolso e do que você tem intenção de conhecer na região. O completo custa aproximadamente R$ 140,00 e o parcial R$ 70,00. Ou seja, relacionado a custo beneficio compensa você pegar o completo, mas a minha pessoa pegou o parcial voltado apenas para os sítios arqueológicos. Já que em Cusco não tinha interesse em muitos outros passeios.

Portanto comprei meus tickets e seguimos viagem até o parque e desde o começo você já o acha incrível. Nosso guia nos deu informações de como os Incas pensaram há anos atrás em métodos para sobreviver e fortificar a agricultura da época. Eles ali construíram um grande cemitério vertical, cheio de buracos na montanha para guardar os corpos com riquezas, que vieram a ser saqueadas com o tempo. Com certeza é um lugar rico em conhecimento e me encantei por ele. Mas o que me intrigava era que o meu guia ficava falando “gente não vamos perder muito tempo aqui, temos que ter mais tempo em Ollantaytambo”. Eu já achava aquele lugar incrível, então ficava só imaginando como seria lá. Nessa parada ficamos aproximadamente 40min.

Dali nós seguimos para outro vilarejo onde nosso guia levou em uma loja de prata que permanecemos por uns 30min. Lá eles explicaram um pouco sobre como eram feitos os objetos vendidos no local. Infelizmente não estava com dinheiro para isso, mas as peças eram encantadoras. Na frente há outra feirinha, não há nada de diferente, realmente mais itens da cultura peruana.

 

 

 

 

 

 

 

Aproximadamente às 13h fizemos mais uma parada e dessa vez em um restaurante para almoçar. O preço era R$ 25,00 por pessoa, buffet livre. A comida era simples, mas deliciosa. Na verdade o restaurante era uma graça e aqui eu senti a força do poder da pimenta peruana ao comer o Ceviche.

Chegamos em Ollantaytambo por volta das 15h, ao entrar entendi o porque meu guia ficava falando para apreciarmos mais esse local. Não tenho palavras para descrever a beleza desse lugar. Cercado por montanhas, melhor com montanhas até mesmo esculpidas por um povo que ali viveu e em meio a essas colinas construíram uma cidade que sobrevive até o dia de hoje. Essa é a única cidade Inca habitada atualmente no Peru. As ruínas ao meio, que você ao ver percebe o capricho que o povo tinha nas construções e arquitetura do lugar. Vocês precisam ir para entender, mas vá com calma, caminhe, admire, aprecia, sinta o que Ollantaytambo tem para te passar.

Ali nós nos despedimos do nosso guia, o passeio ao Vale Sagrado faz mais uma parada final e depois volta até Cusco. Como íamos pegar o trem nessa cidade e partir sentido Águas Calientes essa foi nossa parada final. Nosso grupo foi embora por volta das 16h30m. Nós tivemos a sorte de poder ficar no local até umas 17h30m. O parque encerra a entrada às 17h, porém muitos demoram a sair após o fechamento dos portões.

Foi um dia longo, cansativo, mas que amei cada parada. Eu aprendi sobre a força, a inteligência, a determinação, a ousadia e muitas outras coisas do homem Inca. E indico a todos você, independente da idade a colocarem esse lugar no roteiro. Porque falo sobre idade? Porque em meu grupo havia uma senhora de 72 anos que nos acompanhou o caminho todo, e o melhor sem reclamar e com um sorriso no rosto. Na verdade não vi ninguém sem um sorriso no rosto.

Comments

comments

Deixe um comentário